BRASILEIRO E BRASILIANO
Publicado em 21 de setembro de 2018 Comentários

 

O articulista Stephen Kanitz escreveu certa vez, um artigo interessante, mostrando a diferença entre as palavras BRASILEIRO e BRASILIANO. Ele diz que durante 500 anos fomos enganados, que esconderam de nós um dado importante. Que disseram e continuam a dizer que somos cidadãos brasileiros, nem todos, é claro.

Escreve ele: “Esconderam todo esse tempo o fato que o termo BRASILEIRO não é sinônimo de cidadania, e sim o nome de uma profissão. Brasileiro rima com padeiro, pedreiro, ferreiro. BRASILEIRO era a profissão daqueles portugueses que viajavam para o Brasil, ficavam alguns meses e voltavam com o ouro, prata e pau-brasil, tiravam tudo o que podiam, sem nada deixar em troca”.

Na nossa opinião o articulista tem razão. Ao contrário do que os Irlandeses fizeram nos Estados Unidos, nossos colonizadores não aportaram por aqui com a ideia de criar uma grande nação. Vieram, criaram as Capitanias Hereditárias, distribuíram as terras a poucos e apaniguados improdutivos, escravizaram, cobraram altíssimos impostos e foram embora. Qualquer semelhança com os dias atuais, será mera coincidência.

Nos deixaram algumas influências boas, mas um país de pouca personalidade, apesar dos avanços. Ainda estamos na era em que, toda boa referência em tecnologia e universidades de ponta ainda têm de ser buscadas na Europa, EUA ou Japão. E como o país é desorganizado, vivemos sob a influência de políticos de conteúdo duvidoso, de papagaios de pirata, de mentiras e superlativos descartáveis. Por falar nisso, o hipercentro de Governador Valadares é uma desorganização só, com destaque para o insolúvel problema da grande quantidade de camelôs. Todos poderiam coexistir, trabalhar, etc. desde que organizados em um espaço específico.

Kanitz ainda avalia que “BRASILEIROS não vêem o Brasil como uma nação, mas uma terra a ser explorada”. “São esses BRASILEIROS que viraram os corruptos e salafrários de hoje, os que sonham com uma boquinha pública ou privada, só querem levar vantagem em tudo. Só que você, caro leitor, é um BRASILIANO. BRASILIANO rima com italiano, australiano ou coreano, do Sul, óbvio. BRASILIANO não é profissão, mas uma declaração de cidadania”. Não dá para imaginar chamar um italiano de italieiro, um australiano de australieiro ou um americano de ameriqueiro.

Para Stephen BRASILIANO combina ainda com “americano, puritano, aqueles abnegados que cruzaram o Atlântico para criar um mundo melhor, uma família, uma nova nação”. “Os BRASILIANOS desta terra não têm uma Constituição, que ainda é negada a uma parte importante da população. Uma Constituição feita pelos verdadeiros cidadãos, que estimule o trabalho, o investimento, a família, a responsabilidade social, a geração de renda e não somente a sua distribuição”. A Constituição de 1988, foi formulada com direitos demais e deveres de menos, uma obra do Centrão, atualmente, o mesmo tipo de articulação de forças políticas, capitaneada por uma maioria de atores enrolados em denúncias de corrupção.

E nesses tempos de eleição presidencial, faltando pouco mais de duas semanas para o pleito, o que se vê nas redes sociais são muitas disputas em defesa dos candidatos que se apresentaram. Uma característica marcante nesse confronto é a radicalização entre os internautas, que chega a assustar pelo baixo nível que estão produzindo.

Por isso, aproveitando o momento, nunca é demais comparar o que está acontecendo no Brasil com o livro “O Príncipe” escrito por Nicolau Maquiavel que nasceu em Florença, na Itália, e viveu entre os anos de 1469 a 1527 (58 anos), que continua extremamente atual e serve perfeitamente para descrever o caos atual em que vivemos. A obra é uma teoria política que descreve como se chegar e como se manter no poder. E como exemplo duas frases da famosa obra:

  • “Um povo cujas instituições, públicas e privadas, estão em boa parte corrompidas, não tem futuro. Só passado.”
  • “Um país onde os poucos que se esforçam para fazer prevalecer os valores morais como honestidade, ética, honra, são sufocados e massacrados, já caiu no abismo há muito tempo”.

Por Crisolino Filho
(Whatsapp: 9.8807.1877 – E.mail: crisffiadv@gmail.com)

 

...
...
...
...
...
Comente também.